quinta-feira, 16 de julho de 2009

Tempo de espera-desertos humanos


Hoje, no Brasil, segundo uma pesquisa, há 6.700.001 milhões de solitários. Voltei a essa realidade recentemente. Não que eu quisesse, mas à força da vida para que alguém pudesse ser feliz. Sempre esse tema me rodeia. Não que me incomode, pois aprendi a viver comigo mesmo, mas não com os desejos, que ainda são fortes. Ninguém planeja muito o dia de amanhã, e sem querer, o amanhã chega de repente, e somos obrigados a decidir tudo na rua, num posto de gasolina, numa estrada qualquer. Vemos os sonhos serem jogados pelo vento. Mas é a vida. E fazemos muitos questionamentos a nós mesmos. O que será melhor? Viver numa ilha deserta ou viver cercado de gente em desertos humanos? A velhice muitas vezes representa a solidão. Nos últimos dias, nas minhas andanças, vi Deus em muitos lugares, busquei amigos, e senti falta dos que estão distantes. Vi-me também. Projetei-me num sonho que tive há algum tempo. Estou em tempo de espera. O que virá? Meu Deus, que venham coisas boas. Meu coração está ficando fraco. Tenho tentado fazer escolhas certas, mas meus defeitos me impedem muito de acertar. Por enquanto, vou ficando só. Na esperança, de achar uma ilha habitada. E que nessa ilha haja muita música. E um cinema. Tempo de espera.

Um comentário:

Robson disse...

Tenha certeza q sempre vira coisas boas para vc, é só vc procurar tb! Abração