terça-feira, 27 de maio de 2008

ENTRE O LIVRE PENSAMENTO E A HIPOCRISIA DO “GLAMOR”

Ninguém pode agradar a gregos e troianos. E cada um pensa o que quer. Dizem que vivemos em um país livre. Mas somos ainda tãoo presos a pre-conceitos. Vivemos uma falsa alegria, que, as vezes, só existe porque queremos que ela exista. O brasileiro é um narciso as avessas. É incapaz de se unir por coisas sérias, salvos alguns momentos. O que poderia ser um momento de "clamor", domingo na Parada, passou apenas uma tentativa de glamour, ou como chamarei aqui, de "glamor". É o que penso. Será que ainda posso pensar? Mas o que seria esse glamor? A luta pelo direito de ir e vir? Talvez, mas não foi. Ninguém nem pode sair diferente que já tem alguém apontando o dedo. Ritual dionisíaco? Bem, nunca fui chegado a esses bacanais públicos. Não sou santo, mas quem é? Pedras choverão. Tem muitas coisas que não gosto, mas não vivo na rua apontando: ei, você , és feio! Cada um segue o caminho que escolheu. E muitos caminhos nos levam a solidão, porque esse é o sentimento mas comum que vejo entre os meus e o desconhecido que passa, e que muitas vezes eu paro, para conhecer um mundo que não é o meu. E como saída, muitos buscam o alcool em excesso e drogas. Viver é complicado. Tem dias que a vida é uma droga mesmo mas nem por isso vou cometer suicídio. Alegria pra mim é ir ao teatro e dar boas gargalhadas. Tou virando bicho. Sou bicho-gente. A selva de pedra está me fazendo mal. Mas sobreviverei a ela. E tomarei fanta uva, entre homens de bem e homens do mal.

Um comentário:

FaBinho Vieira disse...

No final do mês o babado será aqui, companheiro. Desejando que a merda do ano passado não se repita...