segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

As rosas não falam


Tento enxergar um caminho difícil. O dia, prestes a amanhecer, me faz pensar na minha tristeza, na tristeza humana dos solitários. Me sinto num imenso campo de rosas, um roseiral. Há flores lindas mas não posso tocá-las ainda. O máximo que consigo é aspirar seu perfume e saber como são belas. Se tento tocá-las, firo-me, ou no desespero, firo a rosa, despetalando-a. Isso é a vida. Sei que há uma rosa que não tem espinhos, ou se os tem, não machuca como as demais. Mas onde está essa rosa, não consegui chegar ainda. Há diversas rosas na minha janela. Há rosas na minha janela da alma. Foram presentes tão caras ao coração. Uma triste metáfora. Nos próximos tempos, que não posso datar ainda, irei cultivá-las, na esperança que possa tocá-las um dia. As rosas não falam, mas me ouvem. Companheiras da solidão.

Um comentário:

Marcellus disse...

Achar a rosa sem espinhos e com o perfume perfeito é difícil. Mas um dia sem querer, esbarramos nela. Portanto, enquanto respirar, mantenha a esperança.