terça-feira, 7 de agosto de 2007

Pro dia ser mais feliz!


Hoje acordei tão bem. A faringite insiste em não ir embora e eu insisto em tomar gelados. Ninguém é perfeito. Liguei a televisão cedo e Ana Maria Braga comentava uma crônica da Danusa sobre a constância de notícias tristes na imprensa. Semana passada encontrei uma amiga jornalista e comentamos sobre isso. Difícil não ficar indiferente quando vemos tantas infelicidades em todos os âmbitos. Mas luto para ser feliz mesmo que certas pessoas sejam contrárias a isso. Pessoas que não felizes com suas vidas, querem os outros infelizes. Me recuso a ser infeliz. Me recuso a calar-me. Prefiro falar, encher a boca, e dizer: sou feliz. Essas pessoas que se danem. Mas quem ainda não consegue enxergar as grandes felicidades nas pequenas coisas, que se esforce. É tão simples. Seja um bom dia, seja uma gentileza mínima. Qualquer coisa para o dia ficar mais feliz. Mas essa manhã foi cheia de detalhes, pequenos detalhes da vida. Sai de casa comendo uma maçã daquelas lindas, argentinas. Num sinal, uma velinha meio corcunda pedia esmolas. Eu estava do outro lado, não podia ajudá-la. Mas um lenço na cabeça e a humildade nos pedidos chamou-me mais atenção.. O sinal abriu e fui em frente. Fiquei pensando nos aeroportos. Essa semana eles bateram meu recorde de paciência e idas. Acho que minha vida daria para contar a partir de chegadas e partidas. Ontem minha mãe contou que foi testemunha da queda de um avião quando estava grávida de mim. Era no Acre onde morávamos. Ela foi a primeira a chegar ao local pois estava de moto e viu a explosão. Contou os detalhes e vendo umas fotos do ultimo acidente que alguém de não muito gosto me mandou, fiquei refletindo mais uma vez sobre meus medos. Minha vida inteira tento não me sentir mal em aviões, e não me sinto, mas todas as vezes alguns pensamentos vem. Mas em trinta e poucos anos de viagens, nunca nada me aconteceu. Só perdi uma vez uma ponte aérea, e essa perda me proporcionou um papo muito bom com meu companheiro ao lado, o Fabio Assunção. Demos altas gargalhadas lembrando histórias de amigos em comum. Quando dirigia As Anjas, foram tantas viagens, tantas histórias. Tantas partidas. Mas nada como chegar em casa. Ontem, cheguando do supermercado, fui ver alguns presentes que ganhei. Sorrisos.O que mais gostei foi um simples cartão. Adorei tudo, claro, mas cartões estão saindo de moda. Tantas coisas estão saindo de moda. Mas nem tudo. Vamos lá, pro dia ficar mais feliz.

Um comentário:

/]nderson [leyton disse...

Olá! Como anda você? E Portugal?
Quando uma pessoa se torna mais feliz, essa transmite felicidade pra todo mundo através de pequenos gestos.
Hoje recebi um e-mail de uma amigona minha que não vejo faz anos dizendo que vai viajar pra fora do Brasil. Fiquei feliz pelo e-mail dela, mas angustiado pela saudade. Acredito que tudo venha a fazer o dia nascer feliz, mesmo com os pesares.
Bessa, o negocio de teatro é ao sábados, não é? Como é lá? O que acontece lá? Sempre tive vontade de ir, mas nunca me organizei pra isso.
Um abraço.
mikevoungh@gmail.com