domingo, 4 de janeiro de 2009

O vestido ou menos é mais


Não sou de reparar no que as pessoas vestem. Juro. Há controvérsias. Por força da profissão de designer de moda, até que dou minhas olhadas. Acredito que cada um deva se vestir como goste ou queira. Enfim, acho necessário existirem os “bregas” para que sejamos mais felizes. Em todas as partes, há pessoas que vestem-se mal. Porque é francês não significa que seja a coisa mais elegante do mundo. Mas a França nos deu Mamãe Chanel e suas lições. Vivemos num país tropical, cheio de contradições no vestir. No verão vemos muitas aberrações e surpresas. Nos últimos dias, houve um vestido vermelho que deu o que falar aqui em Fortaleza. Era uma posse política. E meu Deus, político veste-se mal, muito mal, e às nossas custas. Talvez a dona do vestido desejasse “abalar Bangu”. Um vestido decotado e uma gola de branca de neve flocada a sustentar o vestido. Cetin ou tafetá talvez. Havia brilhos. Alguém me disse que ela costuma criar seus modelitos. Péssima estilista. Será péssima administradora também? Uma roupa pode dizer muito. E nem vou falar do cabelo que não é minha área. Nessas horas, aconselho as “fashion victim” governantes a gastar uma ínfima quantia da verba do paletó e contratar um “personal stylist”. Se conselho fosse bom, não se dava, se vendia. Mas para a jovem senhora do vestido vermelho eu dou de graça. Um dia já tivemos um relacionamento de aluno x professora. Eu aprendi muitas coisas. Agora acho que posso ensinar a ex-mestre um pouco. E faço no anonimato. Não preciso aparecer por isso. E a vida segue entre vestidos vermelhos e vidrilhos. Menos é mais.

2 comentários:

evelinevale disse...

Concordo plenamente com vc, e sobre o cabelo posso dizer que não condiz com o cargo, a força e a imagem que a dona do vestido vermelho deve causar. Uma pena, pois se no campo da imagem pessoal ela está dessa forma, não consigo imaginar uma mudança tão radical no lado profissional, mas vamos ter fé, uma hora ela escuta alguém com um pouco mais de conhecimento e lá vamos nós tirar a estrela do peito, porque esse detalhe diante do todo passou desapercebido...

FaBinho Vieira disse...

Se é mais ou se é menos nem sei, mas adorei a Branca de Neve!